Aqui sobre os vossos peitos
persistimos como uma muralha
em vossas goelas
como cacos de vidro
impertubáveis
e em vossos olhos
como uma tempestade de fogo.
Aqui
sobre os vossos peitos
persistimos
como uma muralha
em lavar os pratos em vossas cabanas
em encher os copos dos senhores
em esfregar os ladrilhos das cozinhas pretas
para arrancar a comida de nossos filhos
de vossas presas azuis.
Aqui
sobre os vosso peitos
persistimos como uma muralha
famintos
nus
provocadores
declamando poemas
somos os guardiães da sombra
das laranjeiras e das oliveiras
semeamos as idéias
como o fermento na massa
nossos nervos são de gelo
mas nossos corações vomitam fogo
quando tivermos sede
espremeremos as pedras
e comeremos a terra
quando estivermos famintos
mas não iremos embora
e não seremos avarentos com o nosso sangue
Aqui temos um passado
e um presente
Aqui está nosso futuro.
(Farid Suwwan - Representante da OLP)