Prezado visitante:


empre que retorno aqui para ver como estão as coisas, ou para fazer uma atualização, e percebo que você esteve aqui, seja pela primeira vez (?), seja retornando (?) (essas são perguntas que sempre me faço), tenho vontade de lhe indicar a poltrona mais confortável que tenho, lhe oferecer sua bebida preferida, colocar sua música predileta, deixar o ambiente à meia luz e ficar em silêncio para não atrapalhar sua leitura...

Mas nesse mundo virtual isso não é possível. Que fazer, né? Fico só na vontade...

Porém posso agradecer-lhe por sua visita e lhe dizer, uma vez mais, o quanto me sinto honrado com a sua presença. Gostaria mesmo de prometer-lhe poesias melhores e de mais qualidade (Ah! eu digo as minhas, as dos outros poetas já são grandiosas demais). Mas não tenho o hábito de prometer o que não está ao meu alcance, por isso não prometo nada com relação a isso. Como já disse em outro trecho deste site, isto é coisa que os deuses da poesia oferecem à seu bel-prazer a apenas uns poucos escolhidos. "Nosotros" temos que extrair leite de pedra.

Fora este agradecimento vou aproveitar para fazer-lhe um pedido: assine, por favor, o livro de visitas. Não precisa, se assim o desejar, colocar seu e-mail. A sua mensagem não ficará à mostra, isso eu lhe prometo. Temos também um formulário, onde você poderá emitir sua opinião, solicitar itens que lhe interesse, e até me corrigir (como, aliás, tanto tenho sido corrigido). Mas se você prefere se manter anônimo, que fazer? Respeito essa sua opção. Apenas eu gostaria de saber a sua opinião, o que lhe agrada ou não, coisas assim, para tentar melhorar sempre este nosso local de encontros.

Obrigado, então,
é até sempre...
Lucas


 

Ps: Já que eu falei de correções, deixem-me alertar-lhes uma coisa. Os editores de Html antigos não possuíam sistema de correção ortográfica (felizmente já o possuem), e eu sou um péssimo digitador, e pior ainda como revisor de mim mesmo, de modo que ainda hoje me surpreendo com inúmeros erros, muitos por falha de digitação, outros por desatenção (e existem também as DLA - deficiências lingüísticas do autor - afinal sou humaníssimo). Sempre que as percebo (e as vezes custo muito a percebe-las) corro em me corrigir. Por isso não me queira mal se perceber falhas gravíssimas e imperdoáveis, tenha certeza que mais cedo ou mais tarde irei me deparar com elas e chutar minha própria canela (faço isso por você e por mim também). Muito me ajuda (como tem sido, de fato) um puxão de orelha virtual,via e-mail. Dói tanto como o verdadeiro, mas também me dá muito prazer (não, não sou sado-masoquista, mas faço tudo por um e-mail seu). Obrigado, então, por sua compreensão e paciência!